CASES

Sopradora SPM 20 Flexicore

 

Tecnologia de gasagem: Sopradora SPM 20

 

Importante fundição catarinense economiza custos em matéria prima e ganha rapidez na confecção de machos em ColdBox.

Desafio do cliente: Aumentar a produtividade de machos, utilizarem os mesmos ferramentais da sopradora atual (concorrência) e diminuir os tempos de processo.

Solução: Adquirir nova maquina Sopradora SPM 20 Vick com flexibilidade produtiva oferecendo novas tecnologias que possam absorver o trabalho da antiga maquina.

Vantagem competitiva:  A tecnologia e a qualidade do componentes no processo de Gasagem da sopradora SPM20 comprova a EFICIENCIA no processo de dosagem+ gasagem + lavagem.

 

Case

 

 

 

Rassini

 

VICK SERVICE ULTRAPASSA FRONTEIRAS

Fazer com que o cliente valorize a visita da Equipe Técnica Qualificada Vick e veja a manutenção como uma oportunidade, será sempre o objetivo do Vick Service.

Um pouco sobre a empresa:

México – A equipe Vick Service visitou em dezembro, uma das maiores empresas de fundição na América Central, criada na década de 30 e muito conhecida por ser fornecedora de discos de freio para grandes marcas como: General Motors, Ford, Chrysler, Nissan, VW, Luk, Case e New Holland. Esta empresa além de constantemente ampliar o conhecimento e capacitação de seus colaboradores, sabe o valor e a importância de realizar manutenções em equipamentos e máquinas primordiais na produção de machos/moldes para a fundição.

Nossa equipe chegou à cidade de San Martín Texmelucan, estado de Puebla, para realizar uma visita técnica/orientativa. Tivemos como principal objetivo aumentar a produtividade do equipamento e solucionar o que até então para esta empresa, era um grande problema: A baixa resistência na cura da areia estava comprometendo a fabricação de machos e moldes, tendo pouca eficiência de sopro e gerando uma baixíssima produtividade.

A equipe Vick Service iniciou uma análise geral, detectando alguns problemas mecânicos e inclusive do próprio processo, o qual estava prejudicando em grande escala a produção de machos. Com o resultado da análise em mãos, um rápido estudo foi realizado para encontrar a solução mais adequada e contando com a experiência da equipe e do cliente foram feitas pequenas correções e ajustes no processo, o que gerou um aumento significativo na produção em um curtíssimo espaço de tempo. Após a correção do processo, deixamos uma ótima capacitação para os operadores entenderem mais do mesmo e conseguirem resolver os problemas que ocorrem no dia-a- dia, mostrando dessa forma que pequenas mudanças, podem trazer grandes resultados.

Embora surgissem as dificuldades ao longo desses quatro dias em campo, pelo fato de estar em outro país e ter que se adaptar aos costumes da população, efetuar o serviço de manutenção e capacitar a mão-de-obra do cliente agregou muito mais experiência, conhecimento e maturidade para nossa equipe. Todo o processo de treinamento e manutenções transcorreram em perfeitas condições, resultado entre o excelente suporte oferecido pelo cliente e do domínio técnico da equipe Vick Service.

“Após o Vick Service realizar os primeiros estudos e ajustes, a máquina passou imediatamente a produzir de 30 machos/hora para 70 machos/hora na produção, ao final do terceiro dia de trabalho, com novos ajustes, a máquina passou a produzir estavelmente 101 machos/hora, resultando em um aumento de mais de 236% na produção.”

Alexandre Bortolini
Analista de Negócios Internacionais Vick

 

 

Minatti

 

Cenário:

O Brasil é um país com grande alternância climática durante o ano, registrando uma média anual na temperatura de 20ºC, regiões como a Sudeste e Sul registram uma média de 18ºC e 20ºC neste índice.

Mas, o que isso influencia no setor da fundição? Custo!

Os processos Cold-Box e Pep-Set, utilizam resinas responsáveis pela unificação dos grãos de areia que são utilizados na macharia, esses grãos por sua vez devem respeitar uma dosagem controlada e principalmente estável de resina a fim de evitar diversos tipos de problemas, que muitas vezes iniciam pela baixa temperatura das resinas parte I e II.

Que tipos de problemas ocorrem com a baixa temperatura das resinas Parte I e II?

Muito pode atrapalhar a oscilação na temperatura das resinas no momento de sopro ou gasagem do macho. Como qualquer outro fluído, a temperatura influencia diretamente na viscosidade do líquido que será utilizado como ‘cola’ para os grãos de areia. A alta viscosidade das resinas diminui a quantidade necessária para que o macho de areia tenha ductilidade suficiente para não torna-lo frágil a ponto de sofrer rupturas antes mesmo de completar o molde.

Como isso afeta o meu Custo?

Em um dia de temperatura tropical, por exemplo, a resina encontra-se na temperatura média de 25ºC(ambiente), a dosagem é regulada para ter vasão suficiente para a quantidade de areia a ser misturada, de acordo com a viscosidade da resina naquele momento. Em seguida, essa temperatura ambiente cai, resfriando as resinas, deixando-as mais densas, o que diminui o volume dosado por quilo de areia, fazendo com que a mistura já não seja mais homogênea, tornando assim o macho de areia mais frágil ou até mesmo inutilizável.

Se o operador constantemente realizar um aferimento de temperatura e viscosidade da resina, regulando o misturador para cada novo resultado, a perda de tempo nessa operação durante toda a jornada de trabalho do equipamento, será muito alta.
Caso ele não realize esse aferimento constantemente, assim que a temperatura não for mais a mesma que a pré-definida no início do ciclo de mistura, o misturador passará a dosar mais ou menos resina do que o valor recomendado para garantir total constância no macho de areia. A baixa viscosidade faz com que ela fique mais ‘fina’ aumentando a vasão no bico de dosagem do misturador por quilo de areia.

Além do desperdício de resina, a areia ficará mais úmida e esse excesso prejudicará no processo de sopro e gasagem do macho, também como dificultará na hora de ‘quebrar o macho’ no Shake-Out, devido a quantidade de ‘cola’(resina) que foi misturada na areia.

Já na alta viscosidade, fará com que a resina fique mais ‘grossa’, o que diminuirá o percentual de resina por quilo de areia, tornando-se uma mistura insuficiente capaz de unir os grãos de areia. A cada sopro e gasagem, os machos de areia se tornarão frágeis e quebradiços, tornando-os inúteis, sem contar na perda de tempo até chegar novamente na dosagem ideal, além da perda de matéria prima utilizada no processo.

E agora? Como a VICK pode me ajudar?

A Vick Máquinas disponibiliza hoje no mercado o Aquecedor de Resina, capaz de armazenar 100 Litros de cada resina (Parte I e II) e manter estavelmente a 23,5ºC, ideais para o processo de mistura Cold-Box e Pep-Set. A utilização do aquecedor de resinas (Item de Série fora do Brasil) consiste em aumentar a produtividade, diminuir custos (com descarte de matéria-prima e mão-de-obra) e principalmente manter a qualidade juntamente com a constância na areia dos machos soprados e gasados.

Em números:

(Utilizaremos o exemplo abaixo com uma Sopradora VICK HV-3 trabalhando com um Misturador VICK MC-3000, SEM AQUECEDOR DE RESINAS)

Devido a uma queda na temperatura, o misturador recebe menos resina por conta da alta viscosidade.

Realiza um ciclo de 15 min de mistura (1200kg de areia + 10L de Resina) – Sendo que necessitaria 14,4 L de resina.

A Sopradora HV-3 Realiza três Ciclos até identificar o problema na mistura da areia.

Todo o restante da areia é descartado.

O operador leva mais 15 minutos para aferir a nova viscosidade e regular o dosador de resina.

A sopradora fica 30 minutos parada (15min do aferimento + 15min do novo ciclo de mistura).

Com o problema, o Misturador passou a produzir 3600kg/h.

Tempo perdido: 50 min.

Matéria-Prima Perdida: 1200kg de areia + 10L de Resina.

ADMINISTRE COM INTELIGÊNCIA SUA FUNDIÇÃO:

O Desperdício Mensal APENAS DE RESINA pode pagar a parcela do Sistema de Aquecimento de Resinas VICK através do Cartão BNDES.

Em números:

Uma empresa que realiza mistura de 10 ton. de areia por dia, gasta 12kg de Resina (6kg Parte I + 6kg Parte II).

Logo:

1 DIA 5 DIAS 1 MÊS 1 ANO
12kg de Resina 60kg de Resina 360kg de Resina 4320kg de Resina
A Falta do Sistema de Aquecimento de Resina torna o processo instável, não havendo constância na dosagem de Resina por quilo de areia, tendo em média uma perda diária de 10% de Resina utilizada, sendo assim:
Esta empresa passou a gastar 1,32kg de Resina (0,66kg Parte I + 0,66kg Parte II), uma diferença quase imperceptível.

Logo:

1 DIA 5 DIAS 1 MÊS 1 ANO
13,2kg de Resina 66kg de Resina 396kg de Resina 4752kg de Resina
Agora, a diferença quase imperceptível passa a ser um Desperdíciode 432kg de Resina por ANO.

Q.I. (Quem Indica)

“A dificuldade em estabilidade de processo (aumento da viscosidade da resina) principalmente em função de baixas temperaturas no inicio do turno e a noite, levou à Minatti a adquirir o Aquecedor de Resinas Vick, devido a necessidade de estabilizar o processo ColdBox e consequentemente deixar a resistência dos machos mais homogêneas.

O Aquecedor de Resinas Vick encontra-se hoje funcionando perfeitamente sem nenhum problema a ser comentado. Houve uma melhora significativa não só na qualidade de mistura como na qualidade dos machos além da economia com resina e diminuição do desperdício, também influencia significativamente em função da estabilidade do processo de injeção das resinas no misturador.

Não podemos afirmar em percentual a economia na quantidade de resina, mas obtivemos ótimos resultados seja em relação à produção, diminuição do refugo de machos por quebra, aumento da resistência dos machos além da estabilidade de processo entre os turnos em função da variação térmica do ambiente de trabalho, principalmente no inverno”.

Marcel Minatti
Coordenador de Laboratório da Minatti Fundição Técnica Ltda.

 

 

Jumil

 

A Empresa:

A Jumil é uma das maiores fabricantes de implementos agrícolas. Fundada em 1936, na cidade de Batatais (SP), a empresa se destaca e é reconhecida mundialmente pela evolução tecnológica em seus processos em fundição.

Cenário:

A decisão de substituir os equipamentos de marcharia veio ao encontro da busca de melhores resultados produtivos e condições ideais de trabalho. As antigas máquinas Shell representavam insalubridade e desmotivação para os operadores, devido ao calor e à exposição aos gases utilizados no processo.

Solução:

Através da observação dos antigos processos Shell, a equipe Vick percebeu os atuais parâmetros de produtividade, entre outros fatores que poderiam ser amplamente melhorados. Esta análise foi apresentada à Jumil, considerando as vantagens na migração para o sistema Cold Box, tais como o aumento da produtividade, a diminuição de custos e quantidade de areia de descarte. Além disso, a parceria com a Vick foi fundamental para garantir melhores condições de trabalho e a diminuição de danos ao meio ambiente.

Resultado:

A implementação da sopradora Vick SPV-07 Baby Core proporcionou o aproveitamento dos ferramentais utilizados anteriormente, com pequenos ajustes. Os equipamentos e serviços Vick e a utilização do processo Cold Box renderam à Jumil a redução de custos em seus processos de fundição e o contínuo aumento da capacidade produtiva.

 

JUMIL – Justino de Morais Irmãos S/A
Batatais – São Paulo
www.jumil.com.br

 

 

 

Fama

 

A Empresa:

A Fama do Brasil tem uma ampla área produtiva localizada na cidade de Apucarana (PR). Atua no mercado de fundição a mais de 50 anos, oferecendo uma linha completa para suspensão de veículos médios e pesados, através de modernos equipamentos e tecnologia aplicada nos processos produtivos.


Cenário:

A empresa necessitava de um acompanhamento para aumentar a sua capacidade produtiva e reduzir os índices de refugo gerados pelos processos de moldagem. A velocidade na produção e a qualidade nas peças são determinantes para a competitividade. Por isso, a parceria com uma empresa que pudesse fornecer soluções ideais foi fundamental nesta escolha.

Solução:

A escolha da Vick se deu pelo alinhamento das necessidades da empresa com o desempenho dos equipamentos fornecidos. A sopradora Vick passou a influenciar no aumento da produtividade em sopros, reduzindo o refugo de macharia. Com o bom planejamento dos ferramentais, a Fama pode colocar ao mesmo tempo três tipos de ferramentais de peças no clico de sopro, gasagem e extração. Contribuindo com estes resultados, a máquina moldadora Vick também aumentou a produtividade em moldes, com um bom rendimento metalúrgico, juntamente com o acréscimo de peças de até 35 kg no processo de moldagem.

Resultado:

Desde a instalação dos sistemas Vick, os resultados puderam ser mensurados. O maior número de moldes produzidos por hora, e baixo índice de refugo (2%) das peças, o controle total da área de moldagem, juntamente com o maior rendimento metalúrgico. Todas estas vantagens dos equipamentos de ótimo desempenho reduziram também a manutenção preventiva, além de conseguir o melhor aproveitamento do tempo de moldagem e da mão-de-obra.

Vídeo Institucional

Marcos Dias – Gerente de Fundição e Engenharia
Fama do Brasil
www.molasfama.com.br

 

 

Farina

 

A Empresa:

Fundada em 1886, a Farina Componentes Automotivos consolidou-se como referência em fundição nos diversos segmentos de mercado em que atua, destacando-se inicialmente para a Agricultura. Desde 1970, a empresa passou a dedicar-se à produção de auto-peças, tambores, cubos e equipamentos.

Cenário:

O desafio de consolidar o aperfeiçoamento tecnológico para produzir com qualidade orientou a empresa a buscar o aprimoramento de seus produtos, modernizando as instalações industriais e inovando em processos de produção.

Solução:

A Vick sugeriu para a área de macharia a utilização de sopradoras com processos Cold Box que pudessem oferecer um excelente desempenho junto aos processos shellmolding e ecolotec (CO2). Estes sistemas mecânicos e automatizados contam com a eficiência das caixas fixas e areia verde, integradas com as demais linhas de equipamentos Vick.

Resultado:

A parceria com a Vick influenciou no ajustamento dos principais objetivos da empresa com os de seus clientes, que representam grandes fabricantes da indústria automobilística, de caminhões e de máquinas agrícolas. Através dos equipamentos implementados e da Vick Service que ofereceu serviços qualificados em manutenção, pós venda e assistência técnica todos os resultados projetados inicialmente pela Farina foram alcançados.

 

Farina – Componentes Automotivos
Bento Gonçalves (RS)
www.farina.com.br

 

 







R. Albano Schmidt, 1200 - Boa Vista - Joinville/SC - Brasil | Cep 89205-100 | Tel. 55 47 3028 0500 | Fax. 55 47 3028 6449
© 2019 Vick Máquinas